Reino Unido sai na frente no luto

Chama-se Jack’s Law = Lei de Jack. E é a mais generosa notícia do mundo para aqueles pais que tiverem o pior dos sofrimentos: perderem um filho ou filha. A partir de abril deste ano, pais – e aqui me refiro a pais e mães, obviamente – terão 15 dias de licença paga no caso de perda de um dependente de até 18 anos. O anúncio feito hoje pelo governo britânico é o mais longo do mundo, inclui natimortos e e aplicada a qualquer empregado independentemente do tempo de serviço.

Para aqueles que estão pensando “Ah so’ mesmo na Inglaterra”, ” Nada como viver em país civilizado” ou algo no gênero, podem tirar o cavalinho da chuva. Como a grandissíssima maioria das conquistas trabalhistas, esta é resultado de uma campanha de 10 anos. Lucy Herd perdeu o filho Jack, de 23 meses, em 2010, afogado numa lagoa. Ao pai do menino foi dado 3 dias de folga, inclusive o do enterro.

Foi uma década de luta. Ela correu aos jornais, pressionou políticos, envolveu a família, os amigos, caridades, celebridades. Seu video de 5 anos atrás ganhou notoriedade nacional. Segurando pequenos cartazes, escritos à mão, ela contou o acontecido para angariar assinaturas apoiando a mudança da lei.

“Meu nome é Lucy Herd e sou a mãe de Josh, Ella, jack e Noah.

“Em agosto de 2010, meu filho Jack morreu afogado na lagoa da minha casa, duas semanas antes de seu aniversário de 2 anos”

“Este fim de semana é Dia das Mães” (Aqui na Inglaterra é em agosto mesmo. Dos pais, em junho)

“Ajude as mães neste Dia das Mães a grieve (conviver com o luto) por mais do que 3 dias. Por favor, assine esta petição no www….”

A petição, dirigida ao então Primeiro Ministro David Cameron, recolheu mais de 150 mil assinaturas nos dias seguintes. O video chamou a atenção de toda a imprensa. Nele, Lucy também ressaltou que 90% dos casamentos onde houve perda de filho(a) terminam em divórcio.

“Logo após a morte de uma criança, os pais precisam lidar com a própria perda, a tristeza da família em geral, inclusive das outras crianças, além de uma grande quantidade de papelada administrativa e outros arranjos. Uma morte súbita ou acidental pode exigir um post-mortem ou inquérito, há um funeral para organizar e há muitas outras organizações para contatar, de escolas a benefícios governamentais ”, disse Herd.

Com certeza, o único benefício que ninguém vai querer receber.

Se quiser saber mais

Lucy falando de Jack hoje

One Reply to “Reino Unido sai na frente no luto”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s