Homenagem à Imperfeição

A ideia era comer algo rapidinho antes de pegar o metrô e, aí sim, refastelar-nos na audiência de uma ‘conversa’ entre o mundialmente conhecido artista plástico Ai Weiwei e o renomado Kenneth Roth – manda-chuva do Human Rights Watch há mais de 25 anos. Se você clicar nos nomes será encaminhado(a) às páginas da Wikipedia dos mesmos e entenderá perfeitamente por quê eu tinha certeza que este seria o assunto da minha crônica de hoje.

Muito mais bonito com suas rachaduras expostas.

Mas, como acontece alguma vezes, o sublime se manifesta de maneira inesperada. E, mesmo envolvida num papo animadíssimo com minha filha de 18 anos – futura universitária em Artes Plásticas -, notei um desenho bonito no descanso do prato (de papel) . E um texto. Aiaiai. Sou uma otária pra todo estes textinhos.

Não queria confessar mas, na verdade, notei o texto primeiro 🙂 E aí minha filha se transformou numa vozinha distante e eu, no Newton. Veio aquele momento Eureka, sabe. Mas sem a invenção. Só o deslumbramento.

“Kintsugi é a arte japonesa de consertar a cerâmica quebrada e não esconder as rachaduras. O ouro é usado para enfatizar a beleza do que já foi quebrado. Em vez de usar uma cola para que o prato/vaso/copo fique igualzinho ao que era antes, utiliza-se o ouro -uma mistura resinosa de laca e ouro – e , assim, realçam-se as fissuras.

E que tal tratarmos as nossas vidas do mesmo modo?! . O momento em que aceitamos e compartilhamos nossas rachaduras é quando nos tornamos inteiro novamente. Mais abaixo, dizia “orgulhe-se de suas quebras, elas são o mapa de uma vida vivida, nos deixa mais fortes e mais bonitos do que antes”.

E aqui eu tenho de voltar ao “Menino, Toupeira, Raposa e Cavalo” . Se você não leu este post, clica no sublinhado e volta lá. Em alguns dos desenhos do Mckesie ele enfatiza exatamente isto.

“Quando você se sentiu o mais forte na vida?”perguntou o menino. “Quando eu ousei mostrar minhas fraquezas”
A maior ilusão é pensar que a vida devia ser perfeita”, disse a toupeira.

Portanto, Kintsugi NÃO é a arte de emendar potes quebrados em vez de esconder as rachaduras. É uma homenagem à Imperfeição.

5 Replies to “Homenagem à Imperfeição”

  1. Já conhecia este procedimento de valorização do reparo com ouro e penso que além de ser uma valorização do imperfeito, é também uma ruptura na perfeição abstrata e uma valorização da resiliência do ser que, com o ouro da superação, se torna um ser mais iluminado.

    Gostar

Deixe uma Resposta para MARTA SIMOES SARKOZY Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: